Utilização do primeiro ciclo ovulatório da estação reprodutiva para produção de embriões em éguas sob condições tropicais

Resumo:  A eficiência da primeira ovulação da estação reprodutiva para a produção de embriões foi determinada através da taxa de recuperação embrionária, da viabilidade dos embriões recuperados, da concentração sérica de progesterona, da resposta do primeiro folículo pré-ovulatório da estação reprodutiva ao hCG e da resposta do primeiro CL a PGF2 α. Treze éguas que estavam no período de anestro ou inicial da transição de primavera foram acompanhadas por ultra-sonografia até a detecção do primeiro folículo pré-ovulatório. Neste momento a ovulação foi induzida com 2500 UI de hCG (IV) e elas foram inseminadas em dias alternados até a ovulação. Sete dias após a detecção da ovulação foi realizada coleta de embrião e a concentração de P4 foi determinada. A partir da detecção do primeiro folículo ≥ 25mm da estação, as éguas demoraram em média 14,92 ± 10,80 dias para alcançarem o primeiro folículo pré-ovulatório e 18,00 ± 11,08 dias para ovularem, sendo que 11/13 éguas ovularam em até 48 horas após a administração do hCG. Estes folículos cresceram em média 2,19 ± 0,86 mm/dia. Nove das 13 éguas (69,2%) produziram embriões e todos foram considerados viáveis após avaliação visual e pelo exame de fluorescência. Os corpos lúteos formados mostraram-se funcionalmente competentes produzindo em média 7,39 ± 2,11 ng/ml de P4 , além de serem responsivos à PGF2 α. Deste modo, o primeiro ciclo ovulatório do ano pode ser utilizado com sucesso para a produção de embriões viáveis.

Autores: Karen Regina PERES1 Fernanda da Cruz LANDIMALVARENGA2 Marco Antonio ALVARENGA2

Veja o artigo na íntegra: http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/69370/2-s2.0-77953813704.pdf?sequence=1