AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE ACEPROMAZINA, DETOMIDINA E ROMIFIDINA EM EQÜINOS

RESUMO Os efeitos da acepromazina, detomidina e romifidina em eqüinos foram comparados, objetivando-se determinar qual o agente mais seguro e efetivo para a referida espécie animal. Foram utilizados 15 eqüinos hígidos, de ambos os sexos, idades e raças variadas e encaminhados ao setor de Cirurgia do Hospital Veterinário da FMVZ – USP. Os animais foram distribuídos em três grupos: grupo I, recebeu 0,1mg/kg de acepromazina; grupo II recebeu 20mcg/kg de detomidina e grupo III, o qual recebeu 80mcg/kg de romifidina, sendo todos os agentes administrados através da via intravenosa. Previamente à administração dos fármacos e aos 15, 30, 60 e 90 minutos, após sua aplicação, foram avaliadas a freqüência e ritmo cardíacos, freqüência respiratória, pressão arterial sistólica e diastólica, assim como foram coletadas amostras de sangue arterial para verificação do pH, pressão parcial de oxigênio e pressão parcial de dióxido de carbono. Os resultados foram submetidos à análise estatística através do teste de análise de variância (ANOVA), seguido do teste de Tukey. Não foi observada nenhuma alteração da freqüência respiratória nos grupos estudados. Verificou-se diminuição significativa dos valores da FC nos animais tratados com os agentes α-2 agonistas quando comparados com os valores obtidos no grupo I. Após a administração da acepromazina, observou-se diminuição significativa das pressões sistólica e diastólica em relação aos valores controle. Os animais do grupo I apresentaram valores pressóricos estatisticamente inferiores em relação aos valores obtidos nos grupos II e III. Os animais do grupo II demonstraram incremento da pressão arterial sistólica após 15 minutos da aplicação do agente, com subseqüente redu- ção destes valores. O mesmo ocorreu no grupo III, porém, sem valor estatístico significativo. Com estes resultados, pode-se concluir que a romifidina e a detomidina promoveram alterações paramétricas de menor intensidade e duração quando comparadas à acepromazina.

Autor : Denise Tabacchi Fantoni1 Fábio Futema2 Sílvia Renata Gaido Cortopassi3 Luís Cláudio Lopes Correia da Silva2 Manoel Verenguer4 Regina Mirandola5 Márcio Augusto Ferreira2

Veja o artigo na íntegra: http://www.scielo.br/pdf/cr/v29n1/a09v29n1.pdf