MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA ANATOMIA TOPOGRÁFICA PERTINENTE À ANÁLISE COMPARATIVA DAS VÉRTEBRAS CAUDAIS DOS EQUINOS E CARNÍVOROS (CÃES E GATOS)

Introdução Anatomia é o ramo do conhecimento que se ocupa com a forma, a disposição e a estrutura dos tecidos e órgãos que compõem o organismo. O termo, que é de origem grega, literalmente significa “cortar fora”, daí a dissecção do cadáver tornar-se o método tradicional de estudá-la, além de ser o primordial [1]. A anatomia dos animais domésticos descreve os aspectos funcional e estrutural relativos ao aparelho locomotor e aos órgãos internos de animais domésticos, demonstrando sua íntima relação com os sistemas circulatório e nervoso. Essa abordagem abrangente inclui também os sistemas linfático e endócrino, bem como os órgãos sensoriais, a pele e seus anexos [2]. O aparelho locomotor é um sistema orgânico complexo, cuja função prioritária é o trabalho mecânico. Os elementos constitutivos originais do aparelho locomotor – o esqueleto e os músculos – servem para a formação e a conservação de corpos individuais, para a movimentação de segmentos do corpo ou de todo o organismo [2]. O sistema esquelético pode ser dividido em duas grandes porções: uma mediana, formando o eixo do corpo, composta pelos ossos da cabeça, pescoço e tronco, o esqueleto axial; outra, apensa a esta, forma os membros e constitui o esqueleto apendicular. A união entre estas duas porções se faz por meio de cinturas: escapular (ou torácica), constituída pela escápula e clavícula e pélvica constituída pelos ossos do quadril [3]. O esqueleto axial é composto de: esqueleto da cabeça, coluna vertebral e esqueleto torácico [2]. A coluna vertebral sustenta o corpo e assume a função central como parte do sistema locomotor ao formar uma ponte entre os membros torácicos e pélvicos. Além disso, a coluna vertebral desempenha a função de manter a postura corporal, já que o movimento entre cada vértebra é limitado. A coluna vertebral compõem-se de uma série de ossos ímpares, as vértebras, cuja quantidade varia entre os mamíferos domésticos. As vértebras das diferentes regiões (cervical, torácica, lombar, sacral e caudal) cumprem diferentes funções e apresentam características próprias [2]. A coluna vertebral forma um eixo contínuo que vai da cabeça à cauda. Teoricamente, em equinos, ela é formada por sete vértebras cervicais que corresponde ao pescoço, 18 dorsais que vão da cernelha aos rins e tendo cada uma um par de costelas, seis lombares na altura dos rins, cinco sacrais formando a parte superior da bacia, 15 a 18 coccigeanas, sustentando a cauda toda. (Fig. 1). Todos esses elementos formadores incluem cada um uma massa óssea (corpo vertebral), mais ou menos volumosa conforme a região considerada, perfurada (canal raquidiano) para a passagem da medula espinhal, marcada por bases (apófises superiores e laterais) de dimensões variáveis. Elas estão separadas entre si por discos fibrosos, elásticos, para facilitar seus deslocamentos e dar flexibilidade ao conjunto de movimentos ou amortecer os choques . As vértebras coccigeanas formam o esqueleto da cauda [4]. O tamanho das vértebras caudais diminui gradualmente da primeira à última vértebra. Elas apresentam uma simplificação progressiva quanto ao seu formato ao perder aspectos vertebrais característicos, como arcos e processos. As últimas vértebras caudais se parecem com bastões cilíndricos cujo tamanho se reduz paulatinamente [2]. Este trabalho tem como objetivo comparar as diferenças anatômicas entre as vértebras caudais de equinos, carnívoros domésticos (cão e gato), visando complementar a avaliação da disciplina de Anatomia Topográfica dos Animais Domésticos.

Autores : Karina Maciel Cavalcanti Henriques1 , Célia Fernanda Vieira2 , Cleto Antônio Moraes Ribeiro3 , Fred George Tenório da Costa4 , Thiago Barcellos de Almeida5 , Marina Libonah de Azevedo6 , Rosilda Maria Barreto Santos7 .

Veja na integra : http://www.eventosufrpe.com.br/2013/cd/resumos/R1641-3.pdf