Resposta celular do tratamento com instilação de células mononucleares autólogas derivadas de medula óssea em equinos com obstrução recorrente das vias aéreas

[Cod. Trabalho : 1341]

PÔSTER

CLÍNICA DE EQUÍDEOS

RESPOSTA CELULAR DO TRATAMENTO COM INSTILAÇÃO DE CÉLULAS MONONUCLEARES AUTÓLOGAS DERIVADAS DE MEDULA ÓSSEA EM EQUINOS COM OBSTRUÇÃO RECORRENTE DAS VIAS AÉREAS

FERNANDA ZETTEL BASTOS1; FERNANDA MENDES BARUSSI1; FELIPE YUKIO ISHIKAWA FRAGOSO1; LIDIANE MARIA BOLDRINI LEITE1; ALEXANDRA CRISTINA SENEGAGLIA1; PEDRO VICENTE MICHELOTTO JR.1.
1.PUCPR, CURITIBA – PR – BRASIL.

Palavras-chave: Macrófago Alveolar;Neutrófilo;Fluido do Lavado Broncoalveolar;Terapia Celular;Citologia

Resumo:

Introdução: A Obstrução Recorrente das Vias aéreas (ORVA) é uma doença inflamatória e obstrutiva, comum em cavalos adultos estabulados. A ORVA não tem cura e o tratamento com corticoesteróides possui efeitos colaterias, o que leva à busca por novas terapias. Objetivo: Avaliar a segurança e a resposta a nível celular das células mononucleares derivadas de medula óssea (CMNDMO) como tratamento de cavalos com ORVA crônica. Material e Métodos: Oito cavalos foram incluídos no estudo, divididos aleatoriamente em grupo tratado com única instilação traqueal de CMNDMO (Gcel) e outro com terapia convencional de dexametasona oral por 21 dias (Gdex). Os tratamentos iniciaram a partir da confirmação do quadro clínico e os animas foram avaliados antes do início do tratamento (0 dia), aos 7 e 21 dias.  Após a sedação dos animais com detomidina e cloridato de petidina, coletou-se o fluido do lavado broncoalveolar (LBA) com instilação de 500 mL de solução salina estéril a 37°C. A partir do fluido do LBA foi feita a avaliação citológica diferencial e a análise da atividade dos macrófagos alveolares (adesão e fagocitose). A análise estatística foi realizada ANOVA one-way, seguida do teste de Tukey de múltipla comparação. Resultados: Em ambos os tratamentos, a percentagem de neutrófilos reduziu significativamente na avaliação dos 7 dias (Gdex p<0,0001 – Gcel p=0,004) e 21dias (Gdex p<0,0001 – Gcel p=0,023) em comparação com a avaliação inicial. Essa diminuição foi acompanhada pelo aumento significativo no número de macrófagos alveolares, igualmente aos 7 dias (Gdex p<0,0001 – Gcel p=0,0012) e 21dias (Gdex p=0,0006 – Gcel p=0,0026). A adesão e a fagocitose do macrófago alveolar apresentaram aumento significativo apenas no grupo Gdex (p<0,05). Conclusão: o tratamento com CMNDMO se mostrou seguro, foi equivalente à terapia com dexametasona na melhora do perfil de células do fluido do LBA, e mostrou-se superior na regulação da atividade do macrófago alveolar.

Agradecimentos: CNPq, Polícia Militar do Paraná

bt-abraveq