Soroprevalência de mormo, anemia infecciosa equina e brucelose do cavalo baixadeiro*

Resumo

Visando subsidiar medidas de controle e prevenção das doenças infecciosas no cavalo “baixadeiro”, criado na baixada ocidental maranhense, foram analisadas 415 amostras de soro sanguíneo pelas técnicas de imunodifusão em gel de ágar, fixação de complemento e antígeno acidificado tamponado para diagnóstico de anemia infecciosa equina, mormo e brucelose, respectivamente. Os casos positivos para mormo foram submetidos à maleinização pelo serviço oficial de defesa agropecuária e os animais reagentes para brucelose foram reexaminados pela técnica do 2 mercaptoetanol. Encontraram-se 81 (19,51%) animais positivos para AIE, dois (0,48%) para mormo e quatro (0,96%) para brucelose. Dentre os animais com AIE, 41,97% eram machos e 58,03% fêmeas, 7,40% tinham entre 13 e 24 meses, 32,10% entre 25 a 48 meses e 60,50% acima de 48 meses de idade. A maior frequência de AIE foi observada em fêmeas e animais com idade superior a 48 meses. A anemia infecciosa equina é, sem dúvida, a enfermidade de maior impacto sobre os equídeos no Brasil, mas o mormo deve ser uma constante preocupação dos órgãos de defesa agropecuária, não devido ao número de casos, mas porque é uma zoonose com elevada morbidade e letalidade. A brucelose equina merece preocupação em virtude da debilidade orgânica que provoca nos animais, pelos prejuízos decorrentes da eutanásia dos equinos infectados, além de constituírem fonte de infecção para outras espécies domésticas, inclusive, para o homem.

Autores: Daniel Praseres Chaves,** Danilo Rodrigues Barros Brito,*** Ana Clara Gomes dos Santos,** Juliana Francisca Rocha Vaz,** Adriana Raquel Anunciação**

Veja o artigo na íntegra: http://www.uff.br/rbcv/ojs/index.php/rbcv/article/view/746/pdf_1