Diversidade genética do cavalo Pantaneiro e relações com outras raças de eqüinos

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi avaliar a variabilidade genética do cavalo Pantaneiro, por meio de marcadores microssatélites, investigar o efeito genético de “bottlenecks” e estimar a variação genética entre quatro raças de cavalo. A diversidade genética foi estimada por meio da freqüência de alelos e da média de heterozigosidade por raças. A distância genética de Nei foi calculada para as raças Pantaneiro, Puro Sangue Inglês, Árabe, Puro Sangue Espanhol e Crioulo Uruguaio. O agrupamento em diferentes valores de K foi calculado para inferir a estrutura da população e determinar indivíduos às populações. A distância de Nei mostrou distância mínima entre o cavalo Pantaneiro e o Puro Sangue Espanhol (0,228), e entre o Puro Sangue Espanhol e o Puro Sangue Inglês e o Árabe (0,355 e 0,332, respectivamente). Foi observada grande diversidade genética dentro da raça Pantaneiro, evidente distância desta raça em relação às demais raças estudadas, e uniformidade genética dentro da raça. Verificou-se certo nível de subestruturação no cavalo Pantaneiro, sem demonstrar influência das outras raças estudadas.

Autor: Fabiana Tavares Pires de Souza SerenoI; José Robson Bezerra SerenoII; Jose Luis Vega-PlaIII; Lucy KellyIV; Juan Vicente Delgado BermejoV

Veja o artigo na íntegra: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2008000500007