A prevalência de diastemas abertos ou oclusos em dentes molares de cavalos e a sua associação com doenças periodontais

Resumo:
De forma a investigar a prevalência de diastemas abertos ou oclusos e a sua associação com doenças periodontais,
foram efectuadas examinações dentárias completas em dentes molares de 50 cadáveres de cabeças de cavalo. Diastemas abertos (mediana=2) apresentaram um maior grau de desenvolvimento de doenças periodontais (P<0.001) que diastemas oclusos(mediana=0); éguas (mediana=2) apresentaram mais elevado grau de desenvolvimento de doenças periodontais (P<0.01) que cavalos castrados (mediana=1); e dentes na mandíbula (mediana=2) apresentaram mais elevado grau de desenvolvimento de doenças periodontais (P<0.001) que em maxilas (mediana=1). Uma regressão logística foi ajustada aos dados recolhidos para modelar a probabilidade de diastemas abertos ou oclusos, que resultou num racio de “odds” (2.351) que favorece as éguas (em oposição a cavalos castrados) no desenvolvimento de diastemas abertos (P<0.01); as maxilas (em oposição a mandíbulas) apresentam também “odds” favoráveis (1.994) ao desenvolvimento de diastemas abertos (P<0.05); e grau de desenvolvimento de
doenças periodontais correlaciona-se (ratio de “odds” de 2.092) com diastemas abertos (P<0.001).
Autores: Fernando Mata*, Claire Johnson, Ashton Flavell-Irving